segunda-feira, 18 de agosto de 2008

uma itaipava e mil pensamentos.

nós do canto esquerdo inferior da sala
nada como começar a semana com meus contra-padrões favoritos (e únicos) da minha sala. enquanto a professora contava de seus porres, amigos esquizofrênicos, quimioceptores e a luz das pessoas (fragmentos que consegui captar da aula), teorias e constatações por segundo emergiam no canto esquerdo inferior da sala.
basta uma frase para trocentas teorias competirem seu espaço, num tom mais baixo, disfarçado.

e eu digo calma, alma minha, calminha...
hora do almoço, começa a correria. obrigações obrigatórias, imaginárias, de tudo quanto é tipo, para dar e largar (para cumprir não há mais forças).
estou numa fase cansada de tudo. niilismo a flor da pele. as lágrimas prestes a cair a qualquer momento. sempre a um milímetro de virar um milhão de caquinhos espalhados pelo chão, estáticos devido a falta de vento em Santos.
experimento não fazer nada, mas fazer nada de nada adianta quando a aceleração já se fundiu com a minha pessoa.

cerveja, igreja e suor.
dia intenso, nada como ir pra casa. espero no ponto o ônibus por mais de meia hora, e eis que chega o grande, azul e imponente 04. cheio. cheio de gente cansada, de que teve um dia cheio. dentre tantas cadeiras pra eu ficar na frente, escolho a de três pessoas aparentemente da minha idade. indo para a faculdade.
irresistivelmente, como de costume, começo a prestar atenção na conversa. ah... não sei dizer até agora se me arrependi ou se valeu tanto a espera do ônibus. conversavam sobre religião. tentavam convencer uma menina a se "converter" para a igreja evangélica.
o papo era dos mais contraditórios possíveis. ora falavam de como a igreja não proibiu nada, ora falaram de como custou para largar antigos costumes (que não são pecaminosos, mas ninguém quer fazer sabe-se lá porque) tipo tomar cerveja. falavam de como não eram um grupo chato, que só falava de igreja, mas também falavam de como sonhavam em um dia ser daquelas pessoas que oram 24hs por dia. tinha horas que eu não resistia e ria. é uma coisa que chega a ser engraçada. me sentia assistindo casseta e planeta, numa vinheta em que eles fazem sátira dos evangélicos. o mais bizarro é ver que eles nem se esforçam quando fazem essas piadas, simplesmente reproduzem o discurso.

é isso.
não me estenderei muito a falar mal de religião, pois seria hipocrisia considerando que eu frequento (mesmo discordando da doutrina) o meu templo, todos os dias, das 8hs às 20hs.

lá a bíblia é outra, embora tão grande quanto. chama tortora.

Um comentário:

Rayssa. disse...

hahahaha adorei a associação do tortora com a biblia... não se esqueça do velho testamento(a celula) e do novo(patologia clinica)
sentar no canto inferior esquerdo da sala com vc e a kinna me fez muito bem. Adoro comentar sobre os esteriotipos vazios da psico02.
prefiro nossos momentos fechados do que historias de professora.
beijos

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...